• institutojapi

Dia Nacional do Cerrado


Conhecido como savana brasileira, o Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil, representando 24% de nosso território nacional. Com o clima predominantemente quente com períodos de seca e umidade, a vegetação do Cerrado é bem característica, possuindo árvores baixas, arbustos e muita gramínea.

Por estar localizado nas três maiores bacias hidrográficas sul-americanas e possuir uma riqueza hídrica de nascentes, rios e reservas subterrâneas, este bioma possui o que podemos chamar de floresta invertida. Por causa do período de seca intensa natural da região, a vegetação adaptou-se, desenvolvendo raízes profundas que atingem os lençóis freáticos e possibilita que os arbustos e árvores da região sobrevivam, cresçam e se reproduzam durante a estiagem. Já as herbáceas, por possuírem raízes superficiais, acabam secando. Porém, se engana quem pensa que o Cerrado é um local com pouca vida. Pelo contrário, este bioma é considerado um hotspot, região que possui grandes níveis de biodiversidade e endemismo, concentrando 5% da biodiversidade do planeta, tendo por volta de 6 mil espécies arbóreas, das quais 40% só ocorrem na região. No âmbito faunístico, o Cerrado serve de refúgio para cerca de 2.653 espécies de vertebrados, com destaque para os grandes mamíferos como: lobo-guará, anta e o tamanduá-bandeira.

Infelizmente, o Cerrado sofre constantes perdas de território. Só no ano de 2020, foram perdidos 139.644 km2 de território, representando 6,9% da extensão territorial do bioma, sendo a agropecuária a causa de maior impacto. Outro evento problemático para o bioma são os constantes incêndios florestais. Apesar do fogo fazer parte da ecologia do Cerrado e estar sempre presente, o aumento de sua frequência e intensidade vem causando a diminuição da altura da vegetação e eliminando uma boa parte das espécies arbóreas. Além disso, as mudanças climáticas têm feito com que o ambiente fique ainda mais seco, auxiliando no aumento das queimadas, e tudo isso, gerando o empobrecimento dos solos, favorecendo a sua degradação, a perda do equilíbrio dos ecossistemas e da biodiversidade, colocando em risco a continuidade de muitas espécies. Ademais, os incêndios florestais provocam aumento da poluição do ar, de problemas respiratórios e até mesmo intensificam o fenômeno do efeito estufa, afetando também outros biomas, causando efeitos negativos na qualidade do meio ambiente e na saúde pública em locais distantes.

Visando a proteção desta região que é tão importante para o país, algumas medidas protetivas estão sendo tomadas. Em 1992, durante a Eco-92, surgiu a Rede Cerrado, que até hoje trabalha promovendo a sustentabilidade e conservação do bioma e dos povos ali inseridos e conta com mais de 50 entidades amigas, dentre elas, a WWF - Brasil. Atualmente, também tramita pelo plenário a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 504/2010 que tem como objetivo transformar a Caatinga e o Cerrado em patrimônio nacional, garantindo assim que seus recursos sejam utilizados sempre visando sua preservação e assegurando a melhoria da qualidade de vida da população.



Arte: Flávia de Camargo M. Gomor; Texto: Daniela Brustolin; Flávia de Camargo M. Gomor; Mariana Furquim


Pesquisa: Aline Freiria dos Reis Texto Instagram: Aline Freiria dos Reis

REFERÊNCIAS


BRASIL. Monitoramento do Desmatamento no Cerrado Brasileiro por Satélite. Disponível em: http://cerrado.obt.inpe.br/monitoramento-do-desmatamento-no-cerrado-brasileiro-por-satelite/. Acesso em: 07 set. 2021.


CORDEIRO, Alba Orli de Oliveira. Controle de Gramíneas Exóticas na Restauração Ecológica de Cerrado Sentido Restrito e Reintrodução de Espécies Nativas. 2018. vii, 65 f., il. Tese (Doutorado em Botânica)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/34429>. Acesso em: 08 de setembro de 2021.


COSTA, Amanda. Incêndios Florestais no Brasil. Instituto Jurumi. 05 de Fevereiro de 2021. Disponível em: <https://www.institutojurumi.org.br/2021/02/incendios-florestais-no-brasil.html>. Acesso em: 08 de setembro de 2021.


COSTA, Amanda. 5 curiosidades que você deveria saber sobre o Cerrado. 2019. Disponível em: https://www.institutojurumi.org.br/2019/05/5-curiosidades-que-voce-deveria-saber.html. Acesso em: 08 set. 2021.


DURIGAN, Giselda et al. Manual para Recuperação da Vegetação de Cerrado. 3.ed.rev. São Paulo : SMA, 2011. Disponível em: https://sigam.ambiente.sp.gov.br/sigam3/Repositorio/222/Documentos/Manual_recuperacao_cerrado.pdf. Acesso em: 07 set. 2021.


Instituto Sociedade, População e Natureza. Fauna e Flora do Cerrado. Disponível em: https://ispn.org.br/biomas/cerrado/fauna-e-flora-do-cerrado/. Acesso em: 08 set. 2021.


NASCIMENTO, A. F. do, ISERNHAGEN, I. SANTOS, J. de P. dos, LULU, J. Estoques de Carbono e Emissões de Gases de Efeito Estufa de Floresta Secundária na Transição Amazônia-Cerrado. (Embrapa Agrossilvipastoril. Documentos, 10). 2021. Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1130175>. Acesso em: 08 de setembro de 2021.


Rede Cerrado. Quem somos. Disponível em: <https://redecerrado.org.br/quem-somos/> . Acesso em: 10 set. 2021.


SOUZA, Lina Maria F. Inglez de; GONÇALVES, Eduardo Trevisan. Guia de Restauração para o Cerrado Mineiro: como recuperar e conservar sua fauna e flora. Piracicaba, SP: Imaflora, 2019. Disponível em: https://www.imaflora.org/public/media/biblioteca/CARTILHA%201_CERRADO_DIGITAL.pdf. Acesso em: 08 set. 2021.

12 visualizações0 comentário