Buscar

Metodologia: "Armadilha Sherman".



Já falamos aqui, na sessão de métodos de amostragem, sobre as Armadilhas Tomahawk, e vimos que um dos pontos negativos deste método era falta de praticidade, por serem geralmente grandes e ocupam bastante espaço. Então que tal conhecermos a irmã menor, a “versão de bolso”, mas não menos eficiente, das “tomahawks”? As “Shermans”.

Essas armadilhas são caixas retangulares de alumínio, iscadas, com alimentos ou cheiros atrativos para o animal de interesse. A armadilha possui apenas uma abertura e a isca deve ser colocada na outra extremidade, dessa forma, quando o animal entrar na armadilha e se aproximar da isca, ele irá pisar em um gatilho que fará com que a abertura por onde entrou seja fechada, mantendo o animal preso até a armadilha ser revisada.

Geralmente essas armadilhas são dobráveis, o que facilita bastante o transporte e a logística na hora de fazer a instalação, já que é comum usar grandes quantidades para obter um resultado satisfatório. O foco dessas armadilhas geralmente são os pequenos mamíferos, roedores e pequenos marsupiais, por conta da limitação do tamanho. Podem ser instaladas em diversos locais, como tocas, nos galhos de árvores, em busca de espécies arborícolas, ou ao longo dos “trilheiros” feitos por animais.

Por serem basicamente caixas de alumínio fechadas (algumas podem possuir pequenos buracos na lateral), é importante que se tome muito cuidado com o sol direto, poucos minutos podem ser o suficiente para levar um peludinho a morrer de calor. Então quando for escolher os locais para colocar suas armadilhas não esqueça de priorizar ambientes com sombra durante todas as horas do dia. Além disso, a revisão deve ser constante, uma ou até duas vezes por dia, afinal, ninguém gostaria de passar muito tempo preso em uma caixa.

Por se tratar de um método que envolve captura e o manuseio do animal é possível obter diversos dados, que sem a captura seria impossível. Análise de sangue, pelos para análises de DNA, peso, medidas, ectoparasitas e até mesmo colocar brincos com identificação, para um trabalho mais específico.

Então se você é uma daquelas pessoas que gosta dos peludinhos menores e um dia pretende trabalhar com eles, ou até mesmo acompanhar alguém que trabalha, saiba que as Shermans lhe acompanharão constantemente e serão boas aliadas para descobrir um pouco mais desses bichinhos.


Arte: Natália Lavínia A. de Souza;

Texto: Diego G. Cavalheri;

Pesquisa: Raphael Martins; Keity Souza;

Texto Instagram: Keity Souza; Raphael Martins.



Referências bibliográficas:


Pereira, A.C.; Serra, J.C.V. Dispositivos e equipamentos de monitoramento de herpetofauna, mastofauna e avifauna utilizados em pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) no estado do Tocantins. 2012. Engenharia Ambiental 9(3): 249–263. Acesso em: 12 de Junho de 2022. Disponível em: <http://ferramentas.unipinhal.edu.br/engenhariaambiental/viewarticle.php?id=758>.


Pinto, L. C. Efeito da densidade de armadilhas e da precipitação na eficiência de gaiolas e pitfalls usados na amostragem de pequenos mamíferos na Amazônia Brasileira. 2014. Acesso em: 12 de Junho de 2022. Disponível em: <https://repositorio.inpa.gov.br/bitstream/1/11936/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o_%20INPA.pdf>.


Rodrigues, A.L.O. Levantamentos de pequenos mamíferos em fragmentos de mata no município de Cerro Largo – RS. 2015. Acesso em: 12 de Junho de 2022. Disponível

em: <https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/2586/1/Rodrigues.pdf>.


Vieira, A.L.M.; Pires A.S.; Nunes-Freitas, A.F.; Oliveira, N.M.; Resende, A.S.;

Campello, E.F.C. Efficiency of small mammal trapping in an Atlantic Forest fragmented landscape: the effects of trap type and position, seasonality and habitat. 2014. Braz.

J. Biol 74(3): 538–544. Acesso em: 12 de Junho de 2022. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/bjb/a/tDJYNMwxphhK4VrrBktXzpN/?format=pdf&lang=en>.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo