Buscar

Metodologia: "Armadilhas adesivas".



Vimos alguns métodos, no nosso quadro de técnicas de campo, que podemos utilizar iscas para atrair animais, principalmente mamíferos. Hoje veremos um método que pode utilizar uma forma diferente de isca, as cores! A armadilha adesiva também pode ser utilizada com vertebrados, mas, é utilizada principalmente na captura de invertebrados. Então, caso tenha visitado alguma área agrícola e visto alguns “papéis” coloridos pendurados, se acomode e venha descobrir para que eles servem.

Primeiramente vamos entender o que é, de fato, a armadilha adesiva. Este método é composto por uma placa, ou qualquer superfície que seja possível que o animal ande ou pouse. E que será revestida por uma substância adesiva, que fará com que o animal fique preso.

É possível utilizar ceva e odores, que atraiam animais, ou cores, como mencionado anteriormente, que são efetivos para atrair diversos invertebrados. Inclusive, dependendo da cor utilizada, pode ter diferentes resultados, mas este tópico ainda está em estudo e carece de mais informações para conclusões mais sólidas. É possível também utilizar em locais que o animal passará, como no caso do MosquiTRAP, que utiliza uma fita adesiva para capturar mosquitos que colocam seus ovos na água, e, quando saem da solução, encontram como barreira a armadilha de cola.

Mas afinal, qual o objetivo de ficar capturando mosquitos e outros invertebrados? Em zonas de cultivo, pragas agrícolas são um fator muito importante que podem resultar em enormes prejuízos, principalmente em monoculturas. A armadilha adesiva, neste caso, auxilia no monitoramento da composição destes invertebrados e das potenciais pragas. O monitoramento torna o manejo destes animais muito mais efetivo e contribui para a sustentabilidade do sistema, utilizando menos agrotóxico, por exemplo.

Este método também pode ser utilizado em outras situações como em ambientes urbanos, buscando monitorar insetos vetores de doenças, como Aedes aegypti, o mosquito que pode transmitir diversas doenças. Além disso, pode ser bastante barato, utilizando materiais recicláveis como garrafas pet e papel cartão, em conjunto com uma solução de cola entomológica artesanal.

Para os vertebrados este método não é tão difundido. A legislação brasileira (RESOLUÇÃO N° 301, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2012) permite o uso apenas para répteis e, apesar de poder ser efetivo para captura em algumas condições, o fato de não ter como selecionar quais animais serão capturados, causando injúrias e até a morte de indivíduos que a coleta não seria necessária, torna o seu uso bastante situacional.

Por fim, a armadilha adesiva é mais um método de amostragem de dados que é uma ótima opção de custo-benefício. Interessante inclusive para monitorar os possíveis vetores que estão na sua casa. Monitorando pragas agrícolas ou complementando a lista de répteis de um inventário, este método pode agregar valiosas informações em um estudo e é interessante levar em consideração quando traçar um delineamento amostral, ou seja, as estratégias que utilizará de forma padronizada para obter os resultados do estudo.


Arte: Natália Lavínia A. de Souza;

Texto: Diego G. Cavalheri;

Pesquisa: Raphael Martins; Keity Souza;

Texto Instagram: Keity Souza; Raphael Martins.



Referências bibliográficas:


Arashida, F. M.; Nunes, D.; Braga, R.; Kobori, R. F.; Moraes, W. S.; Polleti, M. Comparativo de armadilhas adesivas coloridas na captura de tripes (Família: Thysanoptera) em pimentão cultivado em ambiente protegido. 2009. Hortic. bras. 27(2): 3583–3587. Acesso em: 13 de Maio de 2022. Disponível em: <http://www.abhorticultura.com.br/EventosX/Trabalhos/EV_3/A2208_T3529_Comp.pdf>.


Pedrosa, I. M. M. de C. et al. Herpetofauna of protected areas in the Caatinga III: The Catimbau National Park, Pernambuco, Brazil. 2014. Biota Neotropica, 14(4): 1–12. Acesso em: 13 de Maio de 2022. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/bn/a/hzVcCpr4xsMqsSB5cN6BcdF/?format=pdf&lang=en>.


Resende, M. C.; Silva, I. M.; Eiras, A. E. Avaliação da operacionalidade da armadilha MosquiTRAP no monitoramento de Aedes aegypti. 2010. Epidemiol. Serv. Saúde. 19(4):329–338. Acesso em: 13 de maio de 2022. Disponível em: <http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v19n4/v19n4a03.pdf>.


Santos, J. P.; Fagundes, E.; Menezes-Netto, A. C. Custos de armadilhas adesivas artesanais para a captura de insetos-praga. 2021. Agropecuária Catarinense. 34:26–29 Acesso em: 13 de maio de 2022. Disponível em: <https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/RAC/article/view/1043/1125>.


Smaniotto, M. A.; Cunha, U. S.; Finkenauer, E.; Garcia, M. S. Efeito da cor de armadilhas adesivas para o monitoramento de Thaumastocoris peregrinus Carpinteiro & Dellapé (Hemiptera: Thaumastocoridae) no campo. 2017. Ciência Florestal. 27(3): 799–805. Acesso em: 13 de maio de 2022. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/cflo/a/kkL8DhRFtDQBxH4yHjZ6rvh/?format=pdf&lang=pt>.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo